quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Grande Otelo estrela Macunaíma neste sábado



Encerrando as atividades de 2009, o Cineclube UFGD exibe gratuitamente neste sábado (19), às 17h, o filme Macunaíma, baseado no romance de Mário de Andrade, e que tem no elenco atores como Grande Otelo, Paulo José, Jardel Filho e Milton Gonçalves. O filme é recomendado para maiores de 12 anos.

Macunaíma é a história de um anti-herói, ou “um herói sem nenhum caráter?”, nascido no fundo da mata virgem. De preto vira branco e troca a mata pela cidade, onde vive incríveis aventuras, acompanhado de seus irmãos. Na cidade, segue um caminho zombeteiro, conhecendo e amando a guerrilheira Ci e enfrentando o vilão milionário, Venceslau Pietro Pietra, para reconquistar o amuleto que herdara de Ci, o muiraquitã.

O filme é de 1969 (Ditadura Militar), dirigido por Joaquim Pedro de Andrade e recebeu diversos prêmios como o do IV Festival de Brasília (1969) para Melhor Ator (Grande Otelo), Melhor Ator Coadjuvante (Jardel Filho), Melhor Argumento (Joaquim Pedro de Andrade), Melhor Roteiro (Joaquim Pedro de Andrade), Melhor Diálogo (Joaquim Pedro de Andrade), Melhor Cenografia (Anísio Medeiros) e Melhor Figurino (Anísio Medeiros).

VESTIBULAR UFGD
Macunaíma, de Mário de Andrade, é uma das obras da Literatura Brasileira que será cobrada no Vestibular 2010 da UFGD, que está com inscrições abertas até 18 de dezembro (sexta) e terá provas em 17 de janeiro. Os demais livros são: “Terra Sonâmbula”, de Mia Couto; Episódio “A máquina do mundo” (fragmento de Os Lusíadas), de Luís Vaz de Camões; “Pequenas Criaturas”, de Rubem Fonseca; e “Poemas rupestres”, de Manuel de Barros.

Mais informações

http://www.programadorabrasil.org.br/filme/291/
cineufgd@gmail.com

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Festival Cine Cultura Viva será nesta sexta em Dourados



Dourados sedia nesta sexta-feira (18), o I Festival Cine Cultura Viva, das 17h30 às 20h30, com apresentação de 21 filmes curta-metragem com entrada gratuita, no cine-auditório da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), Rua João Rosa Góes, 1761, Vila Progresso. O evento é recomendado para maiores de 18 anos.

O Cine Cultura Viva é uma iniciativa do Grupo de Trabalho Audiovisual dos Pontos de Cultura e da Casa Verde - cultura e meio ambiente, com o apoio da Secretaria do Audiovisual (Sav/MinC) e da Secretaria da Cidadania Cultural (SCC/MinC) do Ministério da Cultura. O Festival acontece em Brasília e é repercutido por cineclubes de todo Brasil, de 18 a 20 de dezembro, sendo que o Cineclube UFGD foi selecionado para representar o Estado e promover o evento em Dourados.

Serão exibidos os curtas: “3.33”, de Sabrina Greve (SP); “A dimensão do reflexo”, de Rafael Fanton Onzi (RS); “A minha alma é irmã de Deus”, de Luci Alcântara (PE); “Ana Beatriz”, de Clarissa Cardoso (RJ); “Brasília”, de J. Procópio (DF); “Depois do jantar” ,de Alba Azevedo e Nara Viana (PE); “Doido Lelé”, de Ceci Alves (BA); “Eletrotorpe”, de AYuri Amaral e Nalu Beco (SP); “Em terra de cego”, de João Boltshauser (RJ); “Enfim dois”, de Thiago Vieira (SP); “Enraizados” ,de Niu Batista (PB); “Medo do escuro”, de Cauê Brandão (DF); “Nada será como antes”, de Breno Milagres (MG); “Onze:onze” , de Caue Angeli (SP); “O troco”, de André Rolim (SP); “Parada final”, de Alexandre Pires Cavalcanti e Luciano Luppi (MG); “Para pedir perdão”, de Iberê Carvalho (DF); “Pornographico”, de Paula Gomes e Haroldo Borges (BA); “Quarto 38”, de Thomas Edward Hale (RJ); “Um par o outro”, de Cecília Engels (SP); e participação hors concours de “Dossiê Rê Bordosa”, de Cesar Cabral.

Os filmes foram produzidos por Pontos de Cultura de todo país e entre eles está “Quarto 38”, de Thomas Edward Hale, que tem o elenco formado por Débora Falabella, Alexandre Ciolleti, Cynthia Falabella e Bárbara Paz e traz um lembrete: você não pode sair de um lugar onde nunca entrou. O Festival também traz “Em terra de cego”, de João Boltshauser, que mostra Fabão, um traficante de drogas preso que conhece a história de Sherazade, personagem das “Mil e Uma Noites”, e se utiliza do mesmo artifício que ela para escapar da triste realidade.

A realização do evento nos Estados é fruto de uma parceria entre a coordenação do Cine Mais Cultura e do Festival Cine Cultura Viva, de forma que o Cine Mais Cultura indicou 27 Cines (um de cada estado) para exibirem o conteúdo do Festival.


Mais informações
http://www.festivalcineculturaviva.com.br/index.html

Filmes do Festival Cine Cultura Viva



“3.33” de Sabrina Greve
Escurecer o quarto
Parar de pensar
Matar o tempo
Tomar o remédio
Telefonar para os amigos
Perder a piada
Mergulhar no mar
Apagar a luz
Às 3:33
12' | São Paulo SP
Roteiro e Produção: Sabrina Greve
Elenco: Bárbara Paz, Rafaella Tanzillo, Marina Flores, Gilda Nomacce , Gabriela Flores, Angélica Angelucci, Lucimar Mutarelli, Lourenço Mutarelli

“A dimensão do reflexo” de Rafael Fanton Onzi
"Uma criança. Um espelho. Um amigo imaginário... Que pode não ser tão imaginário assim"
9’20” | Porto Alegre RS
Roteiro: Rafael Fanton Onzi
Produção: Lucas Oliveira
Elenco: Arthur Quadros e Patrícia Soso.

“A minha alma é irmã de Deus” de Luci Alcântara
"Eu sempre fui elas e elas sempre foram eu”
18'30" | Recife PE
Roteiro: Luci Alcântara
Produção: Ateliê Produções
Elenco: Luisa Lobo, Roger de Renor, Laís Vieira, João Baltar Freire, Leo Antunes, Fabiana Pirro, Mafra, Camila Moraes, Raimundo Carrero e Cezar Maia.

“Ana Beatriz” de Clarissa Cardoso
Ana Beatriz e Paulo Roberto ainda não se conhecem, mas foram feitos um para o outro. E desde cedo o dia promete... ser igual a outro qualquer. Filme baseado no conto homônimo de Juliano Cazarré.
9’ | Rio de Janeiro RJ
Roteiro: Clarissa Cardoso
Produção: Clarissa Cardoso e Santiago Dellape
Elenco: Juliano Cazarré, Peti Portela e Sérgio Lacerda.

“Brasília” de J. Procópio
Edu é um curta-metragista com um argumento: a construção de Brasília fracassou, todos abandonaram as obras pela metade, e quarenta e cinco anos depois um antropólogo, uma arquiteta e um documentarista fazem uma excursão arqueológica às ruínas da construção. E agora? Como filmar essa porra?
16’ | Brasília DF
Roteiro: J. Procópio
Produção: Iberê Carvalho
Elenco: Eduardo Moraes, Nonato Dente de Ouro, Allice Bombom, Thiago Fragoso, Nara Faria, Similião Aurélio, Chico Sanntanae Sérgio Fidalgo.

“Depois do jantar” de Alba Azevedo e Nara Viana
Pedro sai para caminhar, à noite, depois do jantar, e é surpreendido por um ladrão. Na tentativa de negociar o roubo, surge uma conversa inusitada. Adaptado da crônica Depois do Jantar, de Carlos Drummond de Andrade.
7’ | Recife PE
Roteiro e Produção: Alba Azevedo e Nara Viana
Elenco: Germano Haiut, Giordano Castro e Pedro Dias.

“Doido Lelé” de Ceci Alves
Salvador, década de 50. Caetano, pobre e mestiço, sonha em ser cantor de rádio, para deleite da mãe e contrariedade do pai. Ele foge todas as noites de casa para tentar, sem sucesso, a sorte no programa de calouros. Até que, numa noite, ele aposta tudo numa louca, divertida e definitiva performance. Nada muito diferente se Caetano não fosse apenas um menino.
15’ | Salvador BA
Roteiro: Ceci Alves
Produção: Fátima Fróes
Elenco: Vinícius Nascimento, Nonato Freire, Maurício Pedrosa e Jussara Mathias.

“Eletrotorpe” de AYuri Amaral e Nalu Beco
Numa noite, universos aparentemente desconexos se cruzam. Uma estrada e uma rave são início e fim de uma inusitada jornada das vidas de quatro personagens que são obrigados a confrontarem seus valores em uma viagem entorpecente, ao som de música eletrônica.
15’ | São Paulo SP
Roteiro: Nalú Béco
Produção: Juliana Vicente
Elenco: Thiago Real, Rita Pisano, João Rodrigues e Mayana Moura

“Em terra de cego” de João Boltshauser
FABÃO é um traficante de drogas preso em uma cela comum com outros criminosos. O que o diferencia dos contraventores sem instrução com os quais é obrigado a conviver, é o fato de FABÃO ter sido criado, pelo menos até certo ponto da sua infância, por uma avó, professora primária, que o fez pensar um pouco diferente da maioria medíocre. FABÃO ouviu histórias e tem pensamentos revolucionários que o ajudam a sair de problemas comuns da vida de bandidos e presidiários de maneira não convencional. Ele conhece a história de Sherazade, personagem das “Mil e Uma Noites”, que para não ser assassinada por seu marido, conta histórias para ele, sempre deixando o final para o dia seguinte. Na cela da cadeia, na companhia de bandidos perigosos, FABÃO se utiliza do mesmo artifício para escapar da triste realidade.
18’20” | Rio de Janeiro RJ
Roteiro: João Boltshauser | Produção: Marcos Pimenta
Elenco: Babú Santana, Rodrigo dos Santos, Wendell Barros, Shirley Cruz, Andre Luiz Câmara, Helio Rodrigues, Biju Martins e Robert Pacheco.

“Enfim dois” de Thiago Vieira
O filme mostra um pequeno trecho da história de um casal em crise. A intenção do curta-metragem nem é explorar a crise em si, mas entendermos o que acontece a uma pessoa ao ter vontade própria quando está casada. Depois de terminar um programa qualquer monótono de tv, o marido levanta para sair e dar uma volta, porém sua esposa o questiona desta saída repentina. Aí então começa uma série de perguntas e respostas. Longe de ser uma obra machista ou feminista, o interessante do curta-metragem é que ora entendemos as razões pelas quais o marido se “estressa”, ora compreendemos os inconformismos de sua esposa.
7’ | São Paulo SP
Roteiro: Haydée Rassi
Produção: Cris Eugênia
Elenco: Tatiana Thomé e Vinícius Zucatelli.

“Enraizados” de Niu Batista
Os irmãos Salustiano e Minervino enraizados numa essência de sentimentos, referências e traumas, num cotidiano de um habitat singular, mostram um drama que flui de questionamentos.
Com o realismo estético do sertão nordestino, o vídeo transcende regionalismos.
13’42” | João Pessoa PB
Roteiro: Niu Batista
Produção: Roseli Ferreira
Elenco: Marco Di Aurélio e Chico Viola.

“Medo do escuro” de Cauê Brandão
Família tenta viver em meio às conseqüências de um ato de violência.
17’ | Brasília DF
Roteiro: Cauê Brandão
Produção: Michelle Horovits e Danilo Godói
Elenco: Andrade Jr., Márcia Mármori, Júlia Rizzo, Roberto De Martin, Nielson Menão, Aline Padilha e Luis Otávio.

“Nada será como antes” de Breno Milagres
História de um menino de dez anos chamado Hugo, que vive com seus pais, em um posto de gasolina na entrada de uma cidade do interior de Minas Gerais, e suas aventuras em busca de insetos com a companhia de Touro Sentado, o estranho homem de meia idade que acaba de conhecer. De onde veio aquele homem? Quem ele era? Como ele se sustentava? E sua fascinação e conhecimento científico a respeito de insetos? Tudo isso, eram dúvidas que atormentavam os pais de Hugo. A convivência com o novo amigo se torna cada vez mais forte, despertando em Hugo a curiosidade por um mundo até então desconhecido. O tempo passa e Touro Sentado começa a passar por algumas dificuldades, só que agora, a ajuda de seu fiel e inseparável amigo não é o suficiente, é preciso a interferência dos pais de Hugo. Diante dos novos acontecimentos, algo surpreendente está para acontecer, e nada será como antes na vida de Hugo.
13’42” | Belo Horizonte MG
Roteiro: Breno Milagres inspirado no conto de Duílio Gomes
Produção: Breno Milagres e ACTion Conto de Minas
Elenco: Raul Starling, Angelo Alves, Elvécio Guimarães e Fernanda Aguilar.

“Onze:onze” de Caue Angeli
11:11 para os místicos significa um momento de despertar, para os apaixonados é a certeza do pensamento da pessoas amada
ONZE: ONZE é o retrato de um jovem casal moderno, em que as ambições profissionais e sociais muitas vezes se sobrepõem aos sentimentos, relata os encontros e desencontros que a maioria dos casais acaba se deparando em algum momento da vida.
Baseado no conto “Caligrafia ilegível” do grande escritor gaúcho Moacyr Scliar ONZE :ONZE é uma pausa para se lembrar de algo esquecido há tempos.
9’ | São Paulo SP
Roteiro: Alexandre Dantas e Caue Angeli inspirado no conto “Caligrafia Ilegível”de Moacyr Scliar
Produção: Maria Lucia Angeli
Elenco: Elder Fraga, Suzana Alves e Joas Campos.

“O troco” de André Rolim
Uma atendente de telemarketing tenta convencer um casal de cliente adquirir mais um produto de sua empresa.
10’ | São Paulo SP
Roteiro (adaptado): André Rolim
Produção: Kinoosfera Filmes
Elenco: Cinira Fiúza, Siomara Schröder e Liéser Touma.

“Parada final” de Alexandre Pires Cavalcanti e Luciano Luppi
Presos há dez anos num engarrafamento, os habitantes (e não mais passageiros!) de um lotação vivem paixões, conflitos e um dilema - será que é melhor permanecer na proteção do interior do ônibus... ou redescobrir o mundo lá fora?
13’15” | Belo Horizonte MG
Roteiro: Luciano Luppi | Produção: Cecília Fernandes
Elenco: Adauto Pinheiro, Adriane Garcia, Anthony Ariel, Bento de Abreu Cavalcanti, Beth Grandi,Camila Falabela, Cecília Fernandes, Décio Cristiano, Diego Ferreira, Diogo Lima, Edmar Pereira, Ferdinando Ribeiro, Francis Oliveira, Glória Emediato, Igor Vandamme, Izabella Azevedo, Ivana Andrés, José Maria Amorim, Kátia Assis, Ludmila Covitt, Márcio Abdias Martins, Marília Marques, Mateus Guedes, Myrian Marinho, Rafael de Castro, Rafael de Paula, Renata Barroso, Sidney Gregório, Suenny Carvalho, Tales Douglas Moreira, Thais Mazzoni e Vinícius Alves.


“Para pedir perdão” de Iberê Carvalho
Um homem atropela um taxi.
Assim começa a busca alucinada de Pedro por Elisa, em uma noite chuvosa de carnaval.
17’ | Brasília DF
Roteiro: Iberê Carvalho
Produção: J. Procópio e Renato Marques
Elenco: Vinícius Ferreira, Fernanda Rocha, Roque Fritsh, André Deca, Marta Aguiar, Camille Santos, Sérgio Sartório e Amanda Guerra.

“Pornographico” de Paula Gomes e Haroldo Borges
O velho projecionista de um cine pornô redescobre o sentido de sua própria vida quando proporciona o encontro de uma jovem prostituta com o mundo mágico do cinema.
16'05" | Salvador BA
Roteiro: Haroldo Borges
Produção: Paula Gomes
Elenco: Fernando Neves, Camilla Sarno, AC Costa, Bob Andion, Pedro Morais, Rubens Leite, Vaguiner Braz, Virgínia Luz e Victor Alves.

“Quarto 38” de Thomas Edward Hale
Todos já passaram por algo que não entenderam - como se por um momento nosso mundo real e nosso mundo dos sonhos se confundissem entre eles. O tempo parece acelerar e retroceder; as coisas acontecem fora de ordem, nossa memória parece inútil, mas existem lugares onde tais momentos não podem ser ignorados. Lugares onde vozes não podem ser ouvidas, apenas ecos. Lugares como o Quarto 38. Lembre-se: você não pode sair de um lugar onde nunca entrou.
24’ | Rio de Janeiro RJ
Roteiro: Thomas Hale
Produção: Vanessa Falabella
Elenco: Débora Falabella, Alexandre Ciolleti, Cynthia Falabella e Bárbara Paz.


“Um par o outro” de Cecília Engels
Jonas (Leandro Feingenblatt) e Flávio (Haroldo Costa) são um casal que tem um relacionamento estável. Em uma noite eles se envolvem com Maíra (Luciana Paes) - uma mulher madura e independente. Inesperadamente ela engravida e está decidida a interromper a gravidez. Porém, Jonas demonstra uma enorme vontade de ter o filho e formar uma família com Flávio.
12’ | São Paulo SP
Roteiro: Cecília Engels
Produção: Bruna Constantino e Cecília Engels
Elenco: Luciana Paes, Haroldo Costa Ferrari e Leandro Feigenblatt.

"PARTICIPAÇÃO HORS CONCOURS" Dossiê Rê Bordosa, de Cesar Cabral
Fama? Ego Inflado? Espírito de Porco? Quais os reais motivos que levaram o cartunista Angeli a matar Rê Bordosa, sua mais famosa criação? Utilizando a técnica da animação stop motion, este documentário investiga os bastidores deste vil crime.
“A MELHOR COISA QUE EU FIZ FOI MATAR AQUELA FILHA DA PUTA!”
Angeli, o autor do crime
16’ | São Paulo SP
Roteiro: Leandro Maciel e Cesar Cabral
Produção: Carol Scalice
Vozes: Grace Gianoukas, Laert Sarrumor e Paulo Cesar Peréio.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Curtas do Dia da Animação neste sábado



O Cineclube UFGD apresenta neste sábado (12), às 17h, os filmes curta-metragem das Mostras Nacional e Internacional do Dia Internacional da Animação que aconteceu em 28 de outubro. A reexibição dos 21 filmes será gratuita, destinada à maiores de 16 anos, e acontecerá no cine-auditório da Unidade 1 da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), Rua João Rosa Góes, 1761, Vila Progresso.

Os filmes foram fornecidos pela Associação Brasileira de Cinema de Animação (ABCA), que promove o Dia Internacional da Animação juntamente com a Associação Internacional do Filme de Animação (ASIFA).

A Mostra Nacional taz os filmes: A Princesa e o Violinista; Queda Livre; Papercut; O Jumento Santo e a cidade que se acabou antes de começar; O Quarto do Jobi; Silêncio e Sombras; O Anão que virou Gigante; Linhas e Espirais; e Dossiê Rê Bordosa. Enquanto que a Mostra Estrangeira contém: Animal Instinct (Australia); Multfilm (Rússia); História Trágica com final feliz (Portugal); Global Warming (Austrália); História de um Caramelo (Portugal); E2-E4 (Russia); The 13th Round (Coréia do Sul); «The Shoemaker in Heaven», a fairy-tale Animation (Rússia); Selva (Rússia); Poles Apart (Austrália); e Eye to Eye (EUA).

Esses filmes foram apresentados pela primeira vez na noite de 28 de outubro e agora entrou na programação normal do Cineclube UFGD para oportunizar o acesso de quem só pode estar no Cineclube aos sábados.

Sobre o Dia Internacional da Animação
www.diadanimacao.com.br

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Debate sobre Direitos Humanos e das mulheres amanhã

Como parte da programação municipal da Campanha de 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra as mulheres, o Cineclube UFGD exibe neste sábado (5), às 17h, o documentário “As mulheres e os Direitos Humanos: Um X na questão”, fornecido pela Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres da Presidência da República. Também será exibida a propaganda “Viver sem violência: direito das mulheres do campo e da cidade” do Governo Federal. A sessão de cinema é gratuita e acontecerá no cine-auditório da Unidade 1 da UFGD, Rua João Rosa Góes, 1761, Vila Progresso.

A convidada para o debate é a professora Cíntia Beatriz Müller da Faculdade de Ciências Humanas (FCH) da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD). Cíntia é professora de Antropologia da UFGD (2008), graduada em Direito (1998), com mestrado e doutorado em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2006). Especialista em Direitos Humanos pela UFRGS e Escola Superior do Ministério Público Federal (2008).

Cíntia é co-autora de relatórios antropológicos sobre delimitação de territórios quilombolas no estado do Rio Grande do Sul (2005-2007), atuou na área dos Direitos Humanos nos estados do Maranhão, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul (2005-2007) e atualmente desenvolve pesquisa com comunidades quilombolas em Mato Grosso do Sul (2008) e sobre o acesso à justiça por parte de povos indígenas (2009). Ela realiza pesquisa na área da antropologia, com ênfase em temas referentes às relações interétnicas, povos tradicionais, antropologia do espaço e do direito e direitos humanos com ênfase em questões quilombolas e indígenas.


16 Dias de ativismo
A Campanha Mundial 16 Dias de Ativismo pelo fim da violência contra a mulher é um movimento internacional que tem sua origem no primeiro Instituto Global de Liderança das Mulheres, que foi patrocinado pelo Centro pela Liderança das Mulheres (CWGL), na Universidade de Rutgers, em 1991.
As participantes escolheram a data, 25 de novembro, que é o Dia Internacional de Não Violência Contra as Mulheres e o dia 10 de dezembro, que é o Dia Internacional dos Direitos Humanos, com a finalidade de vincular de maneira simbólica a violência contras as mulheres com os direitos humanos.
Em Dourados, a campanha vai acontecer entre o dia 20 de novembro e 11 de dezembro e é promovida pela Prefeitura de Dourados através da Secretaria Municipal de Assistência Social, com apoio de diversas entidades.
No dia 9, às 13h30, no Cras do Parque do Lago II, acontece um mini seminário: "Violência contra a Mulher e Lei Maria da Penha". No dia 10, às 14h, no CRAS da Vila Cachoeirinha, haverá um mini seminário: Violência contra a Mulher e Lei Maria da Penha. E no dia 11, último dia da campanha, no CRAS do Jóquei Clube, acontece mini-seminário, também abordando a violência sobre a mulher e a Lei Maria da Penha.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

SÁBADO: Cineclube conta Histórias do Cinema Brasileiro

Neste sábado, às 17h, o Cineclube UFGD exibe gratuitamente os curtas do programa Histórias do Cinema Brasileiro e mostra na abertura o vídeo da cantora Mariene de Castro (Itaú Cultural), no cine-auditório da Unidade da UFGD, localizado na Rua João Rosa Góes, 1761, Vila Progresso. A entrada é franca.

Fazer cinema no Brasil não é para qualquer pessoa. Desde as dificuldades de colocar seu projeto de pé ao problema de fazê-lo chegar a seu público, a atividade cinematográfica nacional sempre foi marcada pelas peripécias e perseveranças típicas de uma trajetória incerta, porém cheia de grandes momentos e superações. Os curtas presentes nessa coletânea contam algumas dessas histórias, sejam elas de figuras reais de importância histórica inegável (Mário Peixoto, em O homem do morcego; Roberto Santos, em Roberto), passando pelas desventuras de um anti-herói contemporâneo (Simião Martiniano), e finalmente chegando à ficção, seja ela baseada em fatos reais (Como se morre no cinema) ou em lembranças de uma vida nos cinemas do interior (O astista contra o caba do mal). Em todos eles, vemos o fazer cinematográfico de maneira que só poderia existir no Brasil.

Já Mariene de Castro nasceu em Salvador (BA), em 1976, e é cantora e produtora. Começou a cantar aos 14 anos, em grupos de percussão. Participou de conjuntos de axé, como o Timbalada, de Carlinhos Brown. Aos 21 anos, com auxílio de produtores franceses, fez turnê pela França com a banda que a acompanha até hoje - Silvinho (acordeom), Luciano Bahia (violão), Da Ilha, Dakson e Iuri Passos (percussão). Esposa do cantor e compositor J. Velloso, aproximou-se da música do Recôncavo Baiano e produziu, em 2003, o primeiro CD de Dona Edith do Prato, na época com 88 anos. Conquistou o Prêmio Braskem Cultura e Arte - Música, que permitiu a gravação de seu primeiro álbum, Abre Caminho, em 2004.


Mais sobre os filmes
Cine Holiúdy - O Astista Contra o Caba do Mal Halder Gomes , CE, 2004
Como se Morre no Cinema Luelane Loiola Corrêa , RJ, 2000
O Homem do Morcego Ruy Solberg , RJ, 1980
Roberto Amilcar Monteiro Claro , SP, 1994
Simião Martiniano, o Camelô do Cinema Clara Angélica e Hilton Lacerda , PE, 1998

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

SÁBADO na Unid 1 da UFGD

Já neste sábado (31), o Cineclube exibe às 17h, no cine-auditório da Unidade 1, o filme As Sete Vampiras e o curta O Universo de Mojica Marins. O vídeo de abertura será com os Mestres da Guitarrada (Itaú Cultural). Essa sessão de cinema tem entrada franca e é recomendada para maiores de 16 anos.

O cinema de horror brasileiro em dois tempos do Ivampirismo. Em O Universo de Mojica Marins, Cardoso homenageia seu ídolo José Mojica Marins explorando sua obra e "seu satanismo bufo-baudelariano". Revela não apenas a singularidade de sua estética, mas também a criação de uma mitologia brasileira moderna na figura do Zé do Caixão, um ícone sem comparações. Com As Sete Vampiras, o cineasta desenvolve seu estilo próprio juntando elementos não apenas de Mojica, mas com citações abertas aos filmes de Alfred Hitchcock, a produções B de terror da década de 1950 e a chanchadas da era Atlântida. Esta mescla de elementos criou no final dos anos 1980 o neologismo crítico 'Terrir', onde a platéia não ri apenas do filme, mas com o filme.

As Sete vampirasIvan Cardoso , RJ, 1986
O Universo de Mojica MarinsIvan Cardoso , RJ, 1978

Curtas sobre Paisagens Brasileiras nsta quinta (29)

Às 12h desta quinta-feira (29), o Cineclube UFGD exibe o programa Paisagens Brasileiras, no auditório de Biotecnologia da Unidade 2 da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), na Cidade Universitária.

Os filmes curta-metragem desse programa são: A Lente e a Janela, Geraldo Voador, O Maior espetáculo da Terra, Passadouro, Recife de dentro pra fora, Trampolim e Wholes.

De acordo com a sinopse, uma característica que tem marcado a produção mais recente de curtas brasileiros é a sua capacidade de dar conta das expressões locais de quase todo o país, possibilitando assim que o espectador brasileiro (re)conheça as paisagens de uma série de diferentes Brasis nas telas.

Esta coletânea de curtas permite que passeemos do sertão paraibano ( Passadouro) aos grandes centros urbanos de Rio (Geraldo Voador) e São Paulo (Wholes), indo até a Porto Alegre de Trampolim. No meio do caminho, passamos ainda pelo interior de Minas Gerais ( O Maior Espetáculo da Terra), Brasília (A Lente e a Janela) e pelos rios de Recife (Recife de Dentro para Fora). Para além das peculiaridades deste trajeto geográfico e de paisagens, vemos obras de realizadores extremamente pessoais que, indo do documentário ao ensaio poético quase experimental, passando pela ficção, encontram nos espaços ao seu entorno verdadeiras musas inspiradoras.

Sobre os filmes
A Lente e a JanelaMarcius Barbieri , DF, 2005
Uma menina ganha uma câmera de vídeo no Natal e se transforma através da lente e da janela.

Geraldo Voador Bruno Vianna , RJ, 1994
Menino de favela com um dom especial acaba se envolvendo com traficantes. Baseado em trabalhos de Will Eisner.

O Maior espetáculo da TerraMarco Pimentel , MG, 2005
Um documentário sobre um circo na corda bamba.

PassadouroTorquato Joel , PB, 1999
As transformações dos hábitos e dos costumes no sertão nordestino com a chegada da parabólica. O velho e o novo coabitam o mesmo tempo e espaço.

Recife de dentro pra fora Kátia Mesel , PE, 1997
Documentário poético sobre o rio Capibaribe, inspirado no poema “Cão sem Plumas” de João Cabral de Mello Neto. Mostra os diversos aspectos do rio, do mar, da natureza e da cidade com sua miséria, seus pescadores e sua esperança.

TrampolimFiapo Barth , RS, 1998
Adolescente que se prepara para concurso de saltos ornamentais identifica-se com suicidas que pularam de um antigo viaduto de Porto Alegre.

Wholes A.S. Cecílio Neto, SP, 1991
Quando se divide um buraco ao meio, você obtém dois novos buracos ou dois meios-buracos? Um retrato de São Paulo.

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Filmes do Dia Internacional da Animação


Sobre os filmes

Mostra Nacional

A Princesa e o Violinista – Dir. Guto BozzettiRecorte / 2D - 10min30seg – 2008 – Porto Alegre-RS
Sinopse: Trata-se de uma fábula sobre o surgimento da tristeza. Pelos olhos de uma menina, descobrimos uma bela história, enquanto ela tenta entender o que sua mãe está sentindo.

Queda Livre – Dir. Marcelo Vidal/Renan de Moraes3D – 1min10seg – 2009 – Rio de Janeiro – RJ
Sinopse: Terror e pânico. Plínio um desengonçado Quati, salta de pára-quedas em uma frenética queda livre.

Papercut – Dir. Pedro EboliTradicional 2D - 4min13segs – 2008 – São Paulo – SP
Sinopse: A vida no escritório pode acabar com você. Ainda mais quando um pequeno corte de papel transforma a vida do nosso herói numa caçada surreal. Agora, é todo o escritório contra um, numa luta pela vida e por sua própria identidade. Uma animação de humor e realismo fantástico feita por alguém que nunca agüentou a vida num cubículo.
O Jumento Santo e a cidade que se acabou antes de começar– Dir. William Paiva e Leo D.2D - 11min – 2007 – Olinda – PE
Sinopse: Quando Deus resolve criar o mundo, as coisas acabam não saindo como planejado. O sertão nunca mais será o mesmo, depois que o jumento Limoeiro vem a terra pra dar um jeito na humanidade, que depois de sucumbir à tentação do capeta, acaba botando o mundo em desordem.
O Quarto do Jobi – Boca Aberta - Dir. Andrés Lieban2D Digital – 1min06seg – 2008/2009 – Rio de Janeiro- RJ
Sinopse: Como qualquer criança de sua idade, Jobi adora chegar em casa e fechar a porta do seu quarto. Afinal, qual é o menino de 9 anos que não curte esse primeiro gostinho de privacidade? O que descobrirmos ao espiar Jobi é que, dentro do quarto, ele e seu melhor amigo o sapo Oscar, encontram um atalho para o mundo.

Silêncio e Sombras – Dir. Murilo Hauser3D - 8min33seg – 2008 – Curitiba – PR
Sinopse: Quem cavalga tão tarde pela noite e pelo vento?

O Anão que virou Gigante – Dir. Marão2D tradicional (lápis no papel) - 10min – 2008 – Rio de Janeiro- RJ
Sinopse: A improvável – todavia autêntica – história do anão que virou gigante.
Linhas e Espirais – Dir. Diego AkelPintura digital - 2min16seg – 2009 – Fortaleza – CE
Sinopse: Sentimentos e expressões misturam-se numa harmonia conflitante, em forma de pintura animada.

Dossiê Rê Bordosa - Dir. César CabralStop Motion - 16min – 2008 – Santo André - SP
Sinopse: Fama? Ego Inflado? Espírito de Porco? Quais os reais motivos que levaram Angeli a matar Rê Bordosa, sua mais famosa criação? Este documentário em animação stop motion investiga este vil crime.


Mostra Estrangeira

Animal InstinctAustralia, 2007, 4”07’, 3DDir. Cameron Edser, Michael Richards
Sinopse: a batalha entre uma vaca e uma ovelha pela supremacia do pátio da fazenda, nesta embalada comédia de ação de proporções épicas.

MultfilmRússia, 2007, 03”32’, animação computadorizadaDir. Andrei Bakhurin
Sinopse: um flashmob em que os animadores de dezoito anos tomam conta. A música é escrita e executada por The Opa Novy God Band. A animação se tornou apreciada por nativos e pelo público estrangeiro.

História Trágica com final feliz Portugal , 2005, 7”46’,grafite em papelDir.Regina Pessoa
Sinopse: algumas pessoas são diferentes. Tudo o que elas desejam é ser como as outras, deliciosamente misturadas com a multidão. Há pessoas gastando o resto de suas vidas lutandoThere are people spending the rest of their lives fighting to realizar este desejo, negando ou escondendo suas diferenças. Algumas outras assumem isso, alcançando o seu lugar perto dos outros… Nos seus corações…
Global WarmingAustrália, - 2007 / 1’’52’, 2D, flash
Dir. Sheldon Lieberman, Igor Coric / Bigfish.TV
Sinopse: eu não acredito em aquecimento global, venha e cante comigo, Oooooo!! Sr. Pipik não está convencido.
História de um Caramelo Portugal, 2007, 10’min, 2D e 3D Dir. Pedro Mota Teixeira
Sinopse: baseado na história de Rita Serra, chamada “O Caramelo”. A triste vida de um caramelo que mora em um posto de gasolina abandonado, no meio de Alentejo, nos anos sessenta.

E2-E4Rússia, 2007, 01min59seg, animação computadorizadaDiretor – Eduard Sidoruk
Sinopse: um filme filosófico sobre a guerra e jogar xadrez de verdade, com pessoas reais. O tema não é novo, porém, um filme, sendo um local muito peculiar de trabalho, atrai a atenção do espectador e dá uma dupla impressão.

The 13th RoundCoréia do Sul, 2007, 9min04seg, 2D, Dir. Lee Yun-Seok
Sinopse: o ex-pugilista Wang Jo-Jin mudou de campo para a luta final de boxe porque não pode mais chamar a atenção do público. Mas Jo-Jin Wang não pode ajustar às regras do Ultimate Fighting, porque ele se acostumou com as regras de boxe. Ele continua permitindo que o adversário possa atacá-lo. Enquanto ele está sendo atacado pelo adversário, ele enfrenta o seu próprio sentimento amargo de que deveria ajustar-se às novas regras para viver

«The Shoemaker in Heaven», a fairy-tale AnimationRússia, 2008, 01min20seg, animação computadorizadaDir. Andrei Bakhurin
Sinopse: contos de fadas folclóricos da Rússia contados por Andrei Bakhurin, um animador de São Petersburgo. A série "Agora escute" se à apreciação da família.

SelvaRússia, 2007, 05min18seg, animação computadorizadaDir. Artur Merkulov
Sinopse: o espectador é convidado a uma viagem com uma câmera panorâmica sobre um quadro vivo da natureza humana. "Selva" é uma oportunidade de passar pelo nascimento, pela morte e pela ressurreição em apenas cinco minutos.
Poles ApartAustrália, 2007, 6min30seg, 2D computer, 3D, flash
Dir. Paul Lalo, Xue Sen Wong, Steven Smith
Sinopse: um panda se esforça para adaptar-se a uma sociedade de ursos polares.

Eye to EyeEUA , 2007, 2min45seg, 3D
Dir. Jimmy Andrews
Sinopse: quando os olhares se cruzam, tudo pode acontecer.

Hoje (28) Dia Internacional da Animação em Dourados


Dia da Animação começa às 19h30 no auditório da UFGD


Filmes brasileiros, russos, australianos, portugueses, coreanos e norte-americanos serão exibidos hoje, gratuitamente

Dourados celebra hoje (28), juntamente com 400 cidades do Brasil e outros 30 países, o Dia Internacional da Animação, às 19h30, com apresentação de filmes curta-metragem nacionais e estrangeiros, gratuitamente, no cine-auditório da Unidade 1 da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados), localizado na Rua João Rosa Góes, nº 1.761, com entrada pela Gustavo Pavel. Os filmes não são recomendados para menores de 16 anos.

A Mostra Nacional terá os filmes: A Princesa e o Violinista; Queda Livre; Papercut; O Jumento Santo e a cidade que se acabou antes de começar; O Quarto do Jobi; Silêncio e Sombras; O Anão que virou Gigante; Linhas e Espirais; e Dossiê Rê Bordosa. Enquanto que a Mostra Estrangeira exibirá: Animal Instinct (Australia); Multfilm (Rússia); História Trágica com final feliz (Portugal); Global Warming (Austrália); História de um Caramelo (Portugal); E2-E4 (Russia); The 13th Round (Coréia do Sul); «The Shoemaker in Heaven», a fairy-tale Animation (Rússia); Selva (Rússia); Poles Apart (Austrália); e Eye to Eye (EUA).

O Dia Internacional da Animação é feito em Dourados pelo Cineclube UFGD, organizado pela Associação Brasileira de Cinema de Animação (ABCA) e realizado pela Associação Internacional do Filme de Animação (ASIFA).

Este é o maior evento simultâneo do gênero do mundo, que tem como principal objetivo difundir o cinema de animação, atraindo novos públicos e proporcionando aos espectadores o acesso a essa arte cinematográfica. Participando do Dia Internacional da Animação, o Brasil busca ainda alavancar a divulgação dos filmes nacionais para o mercado estrangeiro, através do intercâmbio com outros países.
A programação de cada cidade pode ser conferida no site http://www.diadanimacao.com.br/ .



Sobre o Dia Internacional da Animação:

A mostra foi criada em 2002 pela Associação Internacional do Filme de Animação (ASIFA) para comemorar o Dia Internacional da Animação. Foi nesta data que Émile Reynaud, em 1892, realizou a primeira projeção do seu teatro óptico no Museu Grevin, em Paris. Essa projeção foi à primeira exibição pública de imagens animadas (desenhos animados) do mundo.

A organização nacional do evento contará novamente com o apoio, na divulgação, da Globo Filmes, TV Rá-Tim-Bum, TV Brasil, TV Cultura, Canal Futura, Espaço Z, Rain, Movie Mobz, Sesc TV, MTV, HSBC Belas Artes e Cine Brasil TV, Cinemateca Brasileira, com o apoio do CTAV – Centro Técnico do Audiovisual , do Conselho Nacional de Cineclubes e do Fórum dos Festivais.

O DIA tem patrocínio do Fundo Nacional de Cultura, da Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura, e da Petrobras, por meio do Programa Petrobras Cultural. No Estado de São Paulo, o DIA tem o apoio do ProAC 08 – Concurso de Apoio a Projetos de Festivais de Arte do Estado de São Paulo, da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo. Além da parceria da ASIFA, para que a mostra brasileira também esteja presente na comemoração do DIA em diversos países no mundo.

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Lázaro Ramos estará em Cafundó, filme exibido neste sábado na UFGD


O filme Cafundó será exibido gratuitamente às 17h deste sábado (24), no cine-auditório da Unidade1 da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados). Cafundó parte da história real de João de Camargo (ex-escravo cuja trajetória passa pela Guerra do Paraguai) para fazer um retrato dos afrodescendentes e da religiosidade sincrética brasileira.

Natural da região de Sorocaba (SP), Camargo se deslumbra com o mundo fora da escravidão e se casa com uma mulher branca. Ele passa a viver entre o quilombo local e a construção de uma igreja onde realiza milagres, misturando a fé católica a influências africanas.

A codireção de Clóvis Bueno se reflete no cuidado com a direção de arte e reconstituição de época, e a de Paulo Betti na direção de atores. Entre as estrelas do elenco estão Lázaro Ramos, Leona Cavalli, Leandro Firmino, Valéria Monã, Alexandre Rodrigues, Luis Melo, Chica Lopes, Flávio Bauraqui. Didático e com paisagens impressionantes, o filme é um documento precioso sobre a construção étnica e espiritual do povo brasileiro.

Antes da exibição do longa-metragem, o Cineclube apresentará o vídeo de abertura com o músico Kristoff Silva (Itaú Cultural) e também o curta Labirinto, do Programa Diferenças. Labirinto traz visões de discos voadores e aparições de Nossa Senhora no sertão do Ceará. Um labirinto de mistérios que giram em torno das palavras “ver” e “acreditar”.

O músico Kristoff Silva nasceu nos Estados Unidos, em 1972, e é naturalizado brasileiro. É cantor, compositor e violonista. Começou a estudar violão na adolescência, em Belo Horizonte (MG), seguindo a escola erudita, e aproximou-se do popular depois de uma experiência com o grupo Uakti e de trabalhos com a cantora Alda Rezende. Acompanhou artistas como Caetano Veloso e Elza Soares e estreou no CD A Outra Cidade, em 2003, com os mineiros Pablo Castro e Makely Ka. Em sua música, flerta com o som produzido em São Paulo, nos anos 1980 e 1990, por artistas como Itamar Assumpção e o Grupo Rumo. Entre seus parceiros constantes de composição está o músico Luiz Tatit.

O cine-auditório está localizado na Rua João Rosa Góes, nº 1.761, Vila Progresso, mas a porta de entrada está na Rua Gustavo Pável.

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

42 curtas na Ação Social da UFGD

Na Escola Municipal Etalívio Penzo, o Cineclube UFGD faz parte da programação da Ação Social UFGD/SESI/Perdigão e exibirá gratuitamente os programas Curtas Universitários, Olhares Femininos, Comunidades, Diferenças, Comédias Contemporâneas e Núcleo de Animação do CTAv, totalizando 42 curtas-metragem.

Do programa Curtas Universitários, o público poderá conferir: Produto Descartável, Veludo & Cacos-de-vidro, Velha História, Um Sol Alaranjado e Velha História; do programa Olhares Femininos, os curtas:Messalina, 3 Minutos, Cartão Vermelho, Dalva, “Desventuras de Um Dia ou a Vida Não é Um Comercial de Margarina...” e Estória Alegre; do programa Comunidades, os curtas: Acadêmicos do Morrinho parte 1, Acadêmicos do Morrinho parte 2, Defina-se, “Geyzislaine, Meu Amor”, Maria Capacete, MULHER DE AMIGO, O Saci no Morrinho, “Picolé, Pintinho e Pipa” e “Seu Aluisio e o Mar”; do programa Diferenças, os curtas: Criaturas que Nasciam em Segredo, Labirinto, O Resto é Silêncio, Patuá, Príncipe do Fogo e Reminiscência; do programa Comédias Contemporâneas, os curtas: Açaí com Jabá, BMW Vermelho, Dov`e Meneghetti, No Princípio Era o Verbo, O Oitavo Selo e P R Kadeia; e do programa Núcleo de Animação do CTAv, os curtas: Em nome da lei, Evoluz, Informística, Instinto animal, Noturno, O Músico e o cavalo, Presepe, Quando os morcegos se calam, Tem boi no trilho e Viagem de ônibus.

Sábado - Aleluia Gretchen


Às 17h, no cine-auditório da Unidade 1 da UFGD, será exibido gratuitamente o longa Aleluia Gretchen ( Sylvio Back , PR e SC, 1976) com vídeo de abertura do pexbaA (Itaú Cultural). O filme Aleluia Gretchen é o terceiro longa-metragem do diretor Sylvio Back e traz a marca da controvérsia política que marcaria a obra do cineasta catarinense a partir dessa obra, que mostra a saga de uma família de imigrantes alemães que fogem da Alemanha nazista e se fixam no sul do Brasil.

Para mostrar as ligações da Ação Integralista Brasileira com o Terceiro Reich, ao longo de quatro décadas, o diretor recorre a uma linguagem tão polêmica e ousada quanto o próprio tema. Realizado durante a ditadura militar, em 1976, o filme permanece como um dos pontos altos na carreira de Back, que escreveu o roteiro com o futuro novelista Manoel Carlos, inspirado nas suas memórias e origens culturais. Vale destacar a ótima utilização na trilha sonora de A Cavalgada das Walkírias, de Richard Wagner, em ritmo de rock, em versão do grupo O Terço.

Já a banda pexbaA lançou dois CDs, em 1999 e 2004, e é formada por Rossano (trompete e voz), Rodrigo (bateria), Rodrigo Otávio (guitarra) e João Marcelo (contrabaixo). Uma das características do grupo é o uso de um idioma inexistente em suas letras e de uma música essencialmente experimental.

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

TERRA EM TRANSE


Terra em Transe: Filme de Glauber Rocha será exibido gratuitamente neste sábado


A obra foi responsável pela consagração internacional de seu diretor e chegou a ser proibida pela censura da ditadura militar

O Cineclube UFGD exibe com entrada franca, às 17h deste sábado (10), o filme longa metragem Terra em transe, do diretor Glauber Rocha, no cine-auditório da Unidade 1 da UFGD, localizada na Rua João Rosa Góes, 1.761, Vila Progresso. O filme é recomendado para maiores de 14 anos.

Um dos grandes clássicos da cinematografia brasileira, Terra em transe acompanha os dramas de consciência de um jornalista e poeta que oscila entre diversas forças políticas que lutam pelo poder no fictício país de Eldorado. Marcado pelo tom alegórico, o filme já foi definido como “um espetáculo poético sobre o transe político”.

Responsável pela consagração internacional de seu diretor, Glauber Rocha, ao receber premiações nos festivais de Cannes, Locarno e Havana, o longa-metragem chegou a ser proibido pela censura da ditadura militar, por ser considerado “subversivo e irreverente com a Igreja”. Com elenco liderado por Jardel Filho, Paulo Autran e Glauce Rocha, Terra em transe reúne ainda uma talentosa equipe técnica: Luiz Carlos Barreto e Dib Lutfi (fotografia), Sérgio Ricardo (música original) e Eduardo Escorel (montagem).

A sessão de cinema terá ainda a exibição do curta Mulher de Amigo (Leandro Monteiro, RJ, 2005) que conta a história de quando o líder de um bando de ladrões sai para uma missão e deixa seu fiel amigo tomando conta de sua mulher, pois um galã local anda rondando o cerco. Esse filme faz parte do Programa Comunidades, viabilizado pela Programadora Brasil.

Para recepcionar o público, às 16h45, o Cineclube apresenta o vídeo de Regina Spósito
que compõe a Coletânea Cartografia Musical Brasileira, fruto do programa Rumos Itaú Cultural Música 2004-2005. Regina Spósito nasceu em Belo Horizonte (MG), em 1966, e é cantora, atriz e produtora. Realizou sua primeira apresentação musical aos 15 anos. Estudou na Babaya Escola de Canto, notável pela formação de artistas de teatro e música. Em 1995, estreou com a cantora Marina Machado o show Hebraico. No ano seguinte, encenou o espetáculo O Homem da Gravata Florida, que gerou a Cia. Burlantins. Em 1997, Regina reuniu intérpretes mineiros para a gravação do CD Prato Feito, para a Ação da Cidadania contra a Miséria e pela Vida. Entre os CDs que lançou, destacam-se Desoriente o País, 1993; e Regina Spósito, 2001.

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Sábado: A Hora da Estrela



Neste sábado (3), às 17h, será exibido gratuitamente no cine-auditório da Unidade I da UFGD o filme A Hora da Estrela (longa) e o curta-metragem Clandestina Felicidade com vídeo de abertura de Lillíssakar - Nação Fulni-ô (Itaú Cultural). A sessão de cinema é gratuita e aberta para maiores de 14 anos.

A Hora da Estrela, baseado no romance homônimo de Clarice Lispector, é primeiro longa-metragem de Suzana Amaral. Modelo fértil para a história da adaptação cinematográfica brasileira pela forma criativa com que trabalha o discurso literário e sua transposição para o cinema. Narra a tragédia social do retirante nordestino a partir do percurso de Macabéa, uma imigrante alagoana que abandona o Nordeste para viver na metrópole. Alcançou expressiva repercussão e conquistou alguns dos principais prêmios nos festivais de Brasília e Berlim.

O curta Clandestina Felicidade (Programa Curta Cada Página) mostra a infância da escritora Clarice Lispector: seu amor pelos animais e sua paixão pelos livros. O filme reúne alguns contos/crônicas de quando criança na cidade do Recife (nordeste do Brasil) na década de 20. Olhar curioso, perplexo, e descoberta do mundo na menina Clarice. O filme tem 15 minutos de duração e foi dirigido por Beto Normal e Marcelo Gomes.

Já o vídeo de abertura, às 16h45, apresenta Lillíssakar - Nação Fulni-ô que é cantor, compositor, folclorista e protetor da cultura de sua nação indígena, a Fulni-ô, que fica em Águas Belas (PE). Seu primeiro álbum solo foi Onde o Asfalto Termina. Leva sua cultura para o povo não indígena, fazendo apresentações de música e dança tradicionais e dando palestras sobre a vida cotidiana dos índios em colégios e encontros. O nome Lillíssakar significa periquito.

Cineclube exibe documentários musicais nesta quinta-feira

Às 12h desta quinta-feira (1), o Cineclube UFGD apresenta os filmes do programa Documentário Musicais, fornecido pela Programadora Brasil. A exibição será no auditório de Biotecnologia da Unidade II da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados), localizada na Cidade Universitária.

A seleção de Documentários Musicais traz os curtas: O Mundo é uma Cabeça (Bidu Queiroz e Cláudio Barros , PE, 2004), Pânico em SP (Cláudio Morelli , SP, 1982), Rua da Escadinha 162 (Márcio Câmara , CE, 2002), Seu Minervino e a Viola Caipira (Pedro Dacosta Lyra , RJ, 2005) e Viva Volta (Heloisa Passos , PR, 2005).

Neste programa são apresentados registros de alguns gêneros bastante díspares, evitando qualquer pretensão totalizadora. É fato que a música brasileira é adorada nos quatro cantos do mundo, por sua qualidade sonora e diversidade de gêneros. Documentários Musicais vai do enfoque etnográfico da música interiorana à influência estrangeira do punk e sua adoção como modus vivendi, para finalizar na saudável mistura eclética e contemporânea do manguebeat pernambucano.

O Mundo é uma Cabeça é um registro do movimento musical pernambucano manguebeat. Imagens inéditas de Chico Science, que conduz o documentário a bordo do seu "galaxe" num passeio noturno pelo velho bairro do Recife.

Pânico em SP mostra os punks de São Paulo, vistos em seus redutos e nas ruas da cidade. Depoimentos em off sobre seu modo de vida, sua visão da sociedade, seus conflitos com a polícia. Imagens de um show punk, com jovens dançando. Canções dos grupos Olho Seco, Incocentes e Cólera.

Rua da Escadinha 162 é um documentário sobre o acervo do pesquisador e colecionador Christiano Câmara: suas idéias e sua luta para preservar seu acervo.

Seu Minervino e a Viola Caipira apresenta Seu Minervino que é carpinteiro e mestre na arte de fazer e tocar viola, dividindo seu tempo entre o trabalho da roça e o trabalho de fazedor de instrumentos musicais.

Viva Volta é um documentário sobre o trombonista brasileiro Raul de Souza que, desde 1971, vive em Paris e sofre com a falta de reconhecimento em seu País de origem. Com o som do seu trombone ao fundo, o filme leva o personagem de volta a Bangu, na cidade do Rio de Janeiro, e reconstrói sua trajetória. Revisita Saravah (filme de 1969) e, em 2005, promove o reencontro dele com Maria Bethânia. Juntos, celebram a devoção à música

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Bang Bang e Bla Bla Bla, neste sábado, às17h

Para sábado (12), o Cineclube UFGD prepara a apresentação do longa Bang Bang ( Andrea Tonacci , SP, 1970 e, do curta Bla Bla Bla... (Andrea Tonacci , RJ, 1968) e faz a abertura com o video do grupo Chico Correa & Eletronic Band (Itaú Cultural). Os filmes serão exibidos gratuitamente, para maiores de 12 anos, às 17h, no cine-auditório da Unidade 1 da UFGD, localizada na Rua João Rosa Góes, nº 1.761.

O cinema de Andrea Tonacci é único e sem paralelos dentro do cinema brasileiro. Por mais que se costume localizar seus filmes no cerne do chamado Cinema Marginal, de fato seus trabalhos se diferenciam bastante do que se realizou em torno daquele movimento cinematográfico. Marcado por uma preocupação rigorosa com a linguagem do cinema em seus elementos constitutivos básicos (fotografia, som e, principalmente, a montagem), seu cinema ainda assim revela-se muito pouco formalista e, ao mesmo tempo, extremamente humano e urgente. Com Bang bang e Bla bla bla..., Tonacci nos impõe um paradoxo de enorme beleza: faz um cinema radicalmente atemporal, mas ao mesmo tempo profundamente fincado no momento histórico em que é realizado. Trata-se de uma dupla de filmes essencial para compreender o Brasil da virada dos anos 1960 para os 1970, mas também de hoje e sempre.

Já o grupo Chico Correa & Eletronic Band foi criado em 2002, em João Pessoa (PB), e é fruto de experimentações musicais do guitarrista e DJ Esmeraldo Marques, conhecido como Chico Correa. Começou a ganhar projeção em festivais no Nordeste e posteriormente alcançou grandes shows, como o TIM Festival 2003, em São Paulo. O grupo conta com Stephan (saxofone), Larissa (vocal), Victor (bateria) e Ed (baixo). O som regional são samples dos registros de pesquisas sobre manifestações folclóricas desenvolvidas na Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Recursos eletrônicos também são usados, com o objetivo de criar e de divulgar as canções do grupo.

Programas de animação e de suspense no Cineclube hoje

Nesta quinta-feira (10), às 12h, o Cineclube UFGD exibe filmes curta-metagem dos programas Núcleo de Animação do CTAv e Medo e Suspense, para maiores de 16 anos, no auditório de Biotecnologia da Unidade II da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados), Cidade Universitária.

Os filmes são: Viagem de ônibus, Evoluz, Presepe, Tem boi no trilho, Tropel, Behemoth e Nocturnu.

Em Viagem de ônibus, uma jovem está a caminho do trabalho e observa cenas do cotidiano urbano do Rio de Janeiro a partir da janela do ônibus que cruza a cidade misturam-se ao sonho na imaginação da jovem.

Presepe conta a história de dois bonecos de mamulengo nordestinos desembarcam numa cidade grande. Sonho ou pesadelo?

Já em Evoluz, um índio está caminhando na praia e vê luzes caindo do espaço. Ao cair transformam-se em árvores com frutos luminosos. Ao comê-los fica “iluminado”, com poder de ir a outras galáxias procurar a sua dualidade(índia) e libertá-la da pirâmide da sociedade. Ao libertá-la eles vão a um planeta onde existe várias árvores semelhantes.

No filme Tem boi no trilho, um bezerro abandona a boiada, atraído pelo trem que passa pelo sertão em seca. O Vaqueiro, ao perseguir o boizinho, acaba levando-o de encontro à locomotiva. O que parecia ser um trágico desastre, porém, cede lugar a um final inesperado.

Em Tropel, a vida monótona do açougueiro João é quebrada com o anúncio do casamento da sobrinha de Dona Eva, Melissa, uma menina de treze anos de idade. Ao final do dia, ele fecha o açougue e a solidão torna-se imensa.

Logo após, Behemoth mostra um estranho ritual de magia negra que acaba se tornando um pesadelo de conseqüência desastrosas para um fiel orador.

O curta Nocturnu traz o inferno na Terra, com deuses diabólicos e Lúcifer emergindo das entradas de um navio em busca de carne humana e sangue como alimento. Esses três últimos filmes são parte do Programa Medo e Suspense.

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Zé do Caixão será exibido neste sábado


O Cineclube UFGD exibe às 17h, deste sábado (5), para maiores de 16 anos, o filme seminal da obra de José Mojica Marins, “Esta noite encarnarei no teu cadáver”. Esse é o segundo longa-metragem da saga de seu mítico personagem Zé do Caixão. A trilogia teve início em 1964 com “À meia noite levarei sua alma” e encerrou-se 44 anos depois como filme “Encarnação do demônio”.

Legítimo exemplar do gênero horror, vertente raríssima na cinematografia brasileira, o filme retoma o Zé do Caixão implacável na busca da mulher superior que possa gerar seu filho perfeito. Nessa trajetória, não tolerará qualquer obstáculo que o impeça de atingir seu objetivo maior: a “continuidade de seu sangue”.

Mojica Marins mais uma vez demonstra pleno domínio da linguagem cinematográfica, apresentando neste filme alguns dos mais férteis momentos de invenção do cinema brasileiro, como a antológica cena do inferno gelado, que surge surpreendentemente colorida em meio ao preto-e-branco do restante do filme.

Para a abertura dessa sessão de cinema será exibido também o curta-metragem “Tropel”, de 17 minutos e que mostra a vida monótona do açougueiro João que é quebrada com o anúncio do casamento da sobrinha de Dona Eva, Melissa, uma menina de treze anos de idade. Ao final do dia, ele fecha o açougue e a solidão torna-se imensa.
Também para a abertura será apresentado o vídeo do músico Leandro Carvalho que compõe a Coletânea Cartografia Musical Brasileira, fruto do programa Rumos Itaú Cultural Música 2004-2005 e entregue ao Cineclube UFGD pela Coordenadoria de Cultura da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados).

Leandro Carvalho nasceu na cidade de São Paulo (SP), em 1975, e é intérprete e pesquisador. Seu primeiro CD, João Pernambuco - O Poeta do Violão, foi gravado em 1997. Dois anos depois, gravou um dueto com Baden Powell e outro com Turíbio dos Santos. O álbum Descobrindo João Pernambuco, de 2001, foi produzido com a participação de músicos da região e sob influências do Movimento Armorial de Ariano Suassuna. No CD Cromo, de 2003, fez uma homenagem ao compositor mato-grossense Levino Conceição. Sua obra reflete as andanças e o interesse pelo resgate da cultura brasileira, transitando entre o erudito, o popular e o regional. É regente da Orquestra Sinfônica de Mato Grosso e vive em Cuiabá (MT).


Mais informações
Filmes: Esta Noite encarnarei no teu cadáver, Tropel e Leandro Carvalho
Comunidade Cineclube UFGD http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?rl=cpp&cmm=90034842
E-mail: cineufgd@gmail.com
Twitter: www.twitter.com/cineclubeufgd

10 curtas de animação

A animação toma conta do Cineclube UFGD nesta quinta-feira. A partir das 12h serão exibidos filmes curta-metragem dos programas Animações para adultos 2 - Humor e
Núcleo de Animação do CTAv fornecidos pela Programadora Brasil. A sessão gratuita de cinema é recomendada para maiores de 18 anos e será realizada no auditório de Biotecnologia da Unidade II da UFGD, em frente ao RU (Restaurante Universitário).

Esse horário busca beneficiar os estudantes e trabalhadores que almoçam na Cidade Universitária e para eles serão exibidos os curtas: Os Três Porquinhos (Cláudio Roberto, RJ, 2006), Cidade fantasma (Lisandro Santos , RS, 1999), Biribinha Atômica (Ricardo Piologo e Rogério Vilela , SP, 2006), Hotel do coração partido, Informística (César Coelho, RJ, 1986), Instinto animal (Léa Zagury , RJ, 1986), Quando os morcegos se calam (Fábio Lignini , RJ, 1986), O Músico e o cavalo (Telmo Carvalho , RJ, 1986), Em nome da lei ( Rodrigo Guimarães , RJ, 1986 ) e Noturno (Aída Queiroz , RJ, 1986).

O filme “Os Três Porquinhos” traz uma história infantil adaptada a realidade brasileira, com o enfoque na grande pergunta: quem tem medo do lobo mau?

O “Cidade fantasma” mostra um jovem assalariado que encontra garota no verão de Porto Alegre.

A sinopse de “Biribinha atômica” conta que cansados das mesmas Biribinhas que não tinham a menor graça, o Mundo Canibal resolveu lançar a Biribinha Atômica que vai deixar a criançada muito mais contente.

Em “Hotel do coração partido”, Ronaldo era especial e seu coração era evidentemente maior que os corações normais.

“Informística” traz um líder espiritual que é encarregado de enfrentar e domesticar a máquina através de enigmas e palavras mágicas. Subitamente a máquina sai do seu controle e o destrói, mas uma criança, por curiosidade, arranca o fio da máquina desligando-a. Estabelece-se o caos.

O filme “Instinto Animal” estuda os movimentos de alguns animais dentro de um ponto de vista subjetivo, levando o espectador a sentir-se na pele de cada animal abordado (onça, macaco, cobra e gavião). Também o “Noturno” é produzido por meio do estudo gráfico de movimentos de cavalo.

Em “Quando os morcegos se calam”, numa estrada deserta, um homem enfrenta uma terrível tempestade, até chegar a uma casa misteriosa que o aguarda com surpresa.

Já no “Em nome da lei”, o filme mostra um panorama sobre o autoritarismo e a opressão, através de três personagens que se movimentam em sincronismo com a trilha musical. O curta é realizado com grafite e papel, colorido com aquarela.


Mais informações
Filmes: Quinta – Os Três Porquinhos, Cidade fantasma, Biribinha Atômica, Hotel do coração partido, Informística, Instinto animal, Quando os morcegos se calam, O Músico e o cavalo, Em nome da lei e Noturno
Comunidade Cineclube UFGD http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?rl=cpp&cmm=90034842
E-mail: cineufgd@gmail.com
Twitter: www.twitter.com/cineclubeufgd

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Entrada franca para “Animações para Adultos” e “O Homem Nu” no Cineclube


O Cineclube UFGD começa nesta semana a exibir a programação de filmes eleitos pelos internautas na enquete realizada em julho desse ano. O novo calendário tem 15 filmes longa metragem e 82 curtas metragem viabilizados pela Programadora Brasil e pela Casa Brasil – UFGD.

O pontapé inicial desse novo calendário será com o Programa Animações para adultos 2 - Humor, nesta quinta-feira (27), às 12h, no auditório de Biotecnologia da Unidade II da UFGD, em frente ao RU (Restaurante Universitário). Buscando beneficiar os estudantes e trabalhadores que almoçam na Cidade Universitária, serão exibidos os curtas: Sushiman (Pedro Iuá, RJ, 2003), Essa Animação Não Tem Nome (Thomas Larson , SP, 2002 ), Santa De Casa (Allan Sieber , RJ, 2006), Almas em Chamas ( Arnaldo Galvão , SP, 2000) e Quando Jorge Foi À Guerra (Tadao Miaqui , PR, 2004 ).

Animações para adultos 2 – Humor reúne alguns dos mais engraçados curtas de animação do país voltados para o público adulto, tratando de triângulos amorosos e traições conjugais até morte e releituras de contos infantis para maiores de 18 anos. De acordo com sua sinopse, animação não é mais o gênero, é apenas o meio para se contar histórias de terror, romance, ação e um dos pontos altos da realização nacional animada é o humor - seja desenhado ou em stop motion, quando o texto é tão divertido quanto a hilária imagem que o acompanha.

Já neste sábado (29), o Cineclube UFGD exibirá o filme mais votado da enquete, O Homem Nu, às 17h, no cine-auditório da Unidade I da UFGD, Rua João Rosa Góes, nº 1.761, Vila Progresso (com entrada pela Gustavo Pavel).

O Homem Nu é recomendado para maiores de 14 anos e conta a história de Sílvio Proença que precisa embarcar a contragosto para São Paulo, a fim de divulgar seu novo livro. No aeroporto, encontra um grupo de velhos companheiros. Com o embarque cancelado devido a uma forte tempestade, o grupo segue para o apartamento de Marinalva, sobrinha de um dos amigos de Proença, onde o grupo dá continuidade à reunião. Seduzido pela música e pelos encantos de Marinalva, Proença passa a noite ali mesmo, despertando no dia seguinte, completamente nu. Ainda zonzo da ressaca, vai apanhar o pão deixado à porta do apartamento. É quando o vento fecha a porta e o deixa completamente nu do lado de fora.

O filme é de ficção e suspense e foi lançado no Rio de Janeiro, no ano de 1997. Com direção de Hugo Carvana e roteiro de Aldir Mendes de Souza (baseado em conto de Fernando Sabino), “O Homem Nu” traz no seu elenco atores como Cláudio Marzo, Denise Bandeira, Lúcia Veríssimo, Daniel Dantas, Isabel Fillardis, Maria Zilda Bethlem, Mílton Gonçalves, David Pinheiro e Anselmo Vasconcelos.

Para a abertura dessa sessão de cinema, será apresentado o curta Sushiman, do Programa Animações para adultos 2 - Humor e o vídeo da Banda de Pífanos do Bendegó que compõe a Coletânea Cartografia Musical Brasileira, fruto do programa Rumos Itaú Cultural Música 2004-2005 e entregue ao Cineclube UFGD pela Coordenadoria de Cultura da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados). Toda abertura de sábado mostrará um artista dessa coletânea.

A Banda de Pífanos do Bendegó é formada por integrantes de uma mesma família, que vive em Canudos Velho (BA), apresenta-se regularmente desde 1995 e credita ao avô, que morreu aos 114 anos, o costume familiar de tocar pífano. Com flautas, zabumba e caixa, tocam ritmos comuns na região: lundu, retirada, reisado e marcha. Bendegó, palavra tupi para coisa descomunal, é o nome de um meteoro caído na região no século XVIII.

Filmes mais votados
Os 15 filmes escolhidos pelos internautas foram: O Homem Nu; O Júri; A Rosa Púrpura; 11 do 9 (Atentado do World Trade Center); A Hora da Estrela; Milagre em Juazeiro e Padre Cícero; Aleluia Gretchen; Tróia (Documentário); Bang Bang e Bla Bla Bla...; O Universo de Mojica Marins e As Sete Vampiras; Esta Noite encarnarei no teu cadáver; Cafundó; Terra em transe; Cleópatra, a rainha do Egito (documentário) e Jango.

Curtas Metragem
Para montar a programação dos filmes exibidos das 12h às 13h no auditório de Biotecnologia da UFGD, o Cineclube conseguiu para a Programadora Brasil os seguintes programas: Curtas Universitários, Medo e Suspense, Histórias do Cinema Brasileiro, Clássicos e Modernos, Diferenças, Animações para adultos 2 - Humor, Núcleo de Animação do CTAv, Paisagens Brasileiras, Curta Cada Página, Olhares Femininos, Sedução e Sexualidade, Comunidades e Documentários Musicais.



Foto: Divulgação
Legenda: “O Homem Nu” é estrelado por Cláudio Marzo

Mais informações
Comunidade Cineclube UFGD http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?rl=cpp&cmm=90034842
E-mail: cineufgd@gmail.com
Twitter: www.twitter.com/cineclubeufgd

Calendário todo SÁBADO

SÁBADOS – às 17h, no cine-auditório da Unidade I da UFGD, Rua João Rosa Góes, 1761, Vila Progresso (com entrada pela Gustavo Pavel).


Agosto
29 - O Homem Nu (longa) + Sushiman (curta - Animações para adultos 2 - Humor) + abertura com Banda de Pífanos do Bendegó (Itaú Cultural).

Setembro
05 - Esta Noite encarnarei no teu cadáver (longa) + Tropel (curta - Medo e Suspense) + abertura com Leandro Carvalho (Itaú Cultural);
12 - Bang Bang (longa) + Bla Bla Bla... (curta) + abertura com Chico Correa & Eletronic Band (Itaú Cultural);
19 - Milagre em Juazeiro (longa) + Padre Cícero (curta) + abertura com Orquestra Popular do Recife (Itaú Cultural);
26 - Jango (longa) + abertura com Leandro Braga (Itaú Cultural).

Outubro
03 - A Hora da Estrela (longa) + Clandestina Felicidade (curta - Curta Cada Página) + abertura com Lillíssakar - Nação Fulni-ô (Itaú Cultural);
10 - Terra em transe (longa) + MULHER DE AMIGO (curta -Comunidades) + abertura com Regina Spósito (Itaú Cultural);
17 - Aleluia Gretchen (longa) + abertura com pexbaA (Itaú Cultural);
24 - Cafundó(longa) + Labirinto (curta - Diferenças) + abertura com Kristoff Silva (Itaú Cultural);
31 - O Universo de Mojica Marins (curta) e As Sete Vampiras (longa) + abertura com Mestres da Guitarrada (Itaú Cultural).

Novembro
07 - Histórias do Cinema Brasileiro (curtas) + abertura com Mariene de Castro (Itaú Cultural);
14 - Olhares Femininos (curtas) + abertura com Londrina Big Band (Itaú Cultural);
21 - O Júri (longa) + abertura com Kátia B (Itaú Cultural);
28 - A Rosa Púrpura (longa) + abertura com Maurício Marques (Itaú Cultural).

Dezembro
05 – Documentário 11 do 9 (Atentado do World Trade Center) + abertura com Babilak Bah (Itaú Cultural);
12 – Cleópatra, a rainha do Egito (documentário) + abertura com Maria da Inglaterra (Itaú Cultural);
19 - Tróia (Documentário) + abertura com Nhamandu Werá - Índios Guarani (Itaú Cultural).

Calendário toda QUINTA-FEIRA

QUINTAS-FEIRAS – às 12h, no auditório de Biotecnologia da Unidade II da UFGD, em frente ao RU (Restaurante Universitário)

Agosto
27 - Animações para adultos 2 - Humor (Sushiman, Essa Animação Não Tem Nome, Santa De Casa, Almas em Chamas e Quando Jorge Foi À Guerra)

Setembro
03 - Animações para adultos 2 - Humor (Os Três Porquinhos, Cidade fantasma, Biribinha Atômica e Hotel do coração partido) + Núcleo de Animação do CTAv (Informística, Instinto animal, Quando os morcegos se calam, O Músico e o cavalo, Em nome da lei e Noturno);
10 - Núcleo de Animação do CTAv (Viagem de ônibus, Evoluz, Presepe e Tem boi no trilho) + Medo e Suspense (Tropel, Behemoth e Nocturnu);
17 - Medo e Suspense (Wragda, A Menina do Algodão e Demônios) + Curtas Universitários (O Lençol Branco);
24 - Curtas Universitários (Produto Descartável, Veludo & Cacos-de-vidro, Velha História, Um Sol Alaranjado e Velha História).

Outubro
01 - Documentários Musicais (O Mundo é uma Cabeça, Pânico em SP, Rua da Escadinha 162, Seu Minervino e a Viola Caipira e Viva Volta);
08 - Comunidades(Acadêmicos do Morrinho parte 1, Acadêmicos do Morrinho parte 2, Defina-se, “Geyzislaine, Meu Amor”, Maria Capacete, MULHER DE AMIGO, O Saci no Morrinho, “Picolé, Pintinho e Pipa” e “Seu Aluisio e o Mar”);
15 - Curta Cada Página (A Vingança da Bibliotecária, Clandestina Felicidade, Dedicatórias, O Homem-Livro, O Livro e O Livro de Walachai);
22 - Paisagens Brasileiras (A Lente e a Janela, Geraldo Voador, O Maior espetáculo da Terra, Passadouro, Recife de dentro pra fora, Trampolim e Wholes);
29 - Clássicos e Modernos (A Velha a Fiar, Aruanda, “Brasília, Contradições de uma Cidade Nova”, Ilha das Flores e “Ô Xente, pois não”).

Novembro
05 - Histórias do Cinema Brasileiro (Cine Holiúdy - O Astista Contra o Caba do Mal, Como se Morre no Cinema, O Homem do Morcego, Roberto e “Simião Martiniano, o Camelô do Cinema”);
12 - Olhares Femininos (Messalina, 3 Minutos, Cartão Vermelho, Dalva, “Desventuras de Um Dia ou a Vida Não é Um Comercial de Margarina...” e Estória Alegre);
19 - Diferenças (Criaturas que Nasciam em Segredo, Labirinto, O Resto é Silêncio, Patuá, Príncipe do Fogo e Reminiscência);
26 - Padre Cícero; Bla Bla Bla... e As Sete Vampiras.

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Cineclube liberta o “Bicho de Sete Cabeças” neste sábado


Neste sábado (15), às 17h, o Cineclube UFGD exibe os filmes “Bicho de Sete Cabeças” (Laís Bodanzky, SP, 2000) e “O profeta das cores” (Leopoldo Nunes, SP, 1995), no cine-auditório da Unidade I da UFGD, localizada na Rua João Rosa Góes, 1.761, Vila Progresso. A entrada é franca e o filme é recomendando para maiores de 14 anos.
Essas duas histórias que têm em comum o desacerto das relações entre pais e filhos e os caminhos tortuosos que são levados a percorrer. “Bicho de sete cabeças” é estrelado pelo ator Rodrigo Santoro e inspirado em fatos reais vividos por Austregésilo Carrano Bueno e contados em seu livro “Canto dos malditos” (1993). Na trama central, o equívoco do pai e da família, que leva o jovem a uma experiência trágica em manicômios. Lançado em 2001, permaneceu oito meses em cartaz nas salas de cinema, atingindo 450 mil espectadores.
O documentário “O profeta das cores” – que integrou a pesquisa de Laís Bodanzky para a realização do longa “Bicho de sete cabeças” - conta a história de Antonio Nascimento Silva, cujo destino é ainda mais complicado: 20 anos entre orfanato, juizado, casas de detenção, manicômios. Até ser livre e encontrar na pintura a sua forma de expressar o absurdo da condição humana que sofreu.
O Cineclube UFGD entrou em atividade em janeiro de 2009, não tem fins lucrativos e sua finalidade é estudar, apreciar e divulgar a cultura audiovisual e cinematográfica sob todas as formas. Entre as atividades estão a distribuição, projeção e exibição de filmes e material audiovisual em geral e a realização de manifestações culturais e cinematográficas.

Fonte da sinopse: Programadora Brasil

Mais informações
Links dos filmes: Bicho de sete cabeças e O Profeta das coresTwitter: www.twitter.com/cineclubeufgd
E-mail: cineufgd@gmail.com

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

"Curta" a sequência de curtas sobre Glauber Rocha neste sábado!

Neste sábado (8), você vai curtir gratuitamente no Cineclube UFGD, a exibição do Programa “Em torno de Glauber”, uma seqüência de curtas sobre o citado como o mais importante nome do cinema brasileiro, Glauber Rocha. Nesta compilação de curtas nacionais sobre o cineasta, a Programadora Brasil tenta mostrar quem é este “mito” ao público, através de diferentes pontos-de-vista, sem deixar de lado as formas e técnicas de linguagem e estética utilizadas em suas produções.

Você confere esta seleção de curtas no cine-auditório da Unidade 1 da UFGD, localizado na Rua João Rosa Góes, 1.765, Vila Progresso, à partir das 17h.

Chame seus amigos e vem pro Cine Clube!

Mais informações
Twitter: www.twitter.com/cineclubeufgdE-mail: cineufgd@gmail.com

quinta-feira, 30 de julho de 2009

Sucesso de Glauber Rocha será exibido neste sábado em Dourados


Às 17h deste sábado (1º), o Cineclube UFGD exibe gratuitamente, para maiores de 14 anos, o filme “Deus e o Diabo na Terra do Sol” que é uma das principais obras do cineasta Glauber Rocha. A sessão de cinema será no cine-auditório da Unidade 1 da UFGD, localizado na Rua João Rosa Góes, 1.765, Vila Progresso.
Um dos grandes marcos do Cinema Novo, esse é o segundo longa-metragem do cineasta Glauber Rocha que se apodera da linguagem do cordel para mergulhar no Nordeste do cangaço, do fanatismo religioso, da miséria e do poder cruel dos coronéis. O resultado é uma obra-prima barroca, atravessada por lirismo cortante e grandeza épica, que explora a árida paisagem da região com rara força dramática e simbólica. O uso da música de Heitor Villa-Lobos contribui para fazer de “Deus e o Diabo na Terra do Sol” um clássico imprescindível.
O enredo conta a história do vaqueiro Manuel que revoltado contra a exploração de que é vítima por parte do coronel Morais, mata-o durante uma briga. Começa então a fuga de Manuel e de sua esposa Rosa, que são perseguidos por jagunços até se integrarem aos seguidores do beato Sebastião, no lugar sagrado de Monte Santo. Ao mesmo tempo, o matador de aluguel Antônio das Mortes, a serviço dos latifundiários e da Igreja Católica, extermina os seguidores do beato, o que faz com que o casal tenha de continuar fugindo e se encontre com Corisco, cangaceiro remanescente do bando de Lampião.
O filme é um suspense em preto e branco lançado em 1964 que conquistou prêmios da Crítica Mexicana (Festival Internacional de Acapulco, México, 1964), Grande Prêmio (Festival de Cinema Livre, Itália, 1964), Náiade de Ouro (Festival Internacional de Porreta Terme, Itália, 1964), Troféu Saci (Melhor Ator Coadjuvante: Maurício do Valle, 1965), e Grande Prêmio Latino-Americano (Festival Internacional de Mar del Plata, Argentina, 1966).
Na sequência, no próximo sábado (8), o Cineclube exibe o Programa “Em torno de Glauber” que traz os curtas-metragens “A Degola Fatal” (Clóvis Molinari Junior e Ricardo Favilla, RJ, 2004), “A Voz do Morto” (Vitor Angelo , SP, 1993), “Abry” (Joel Pizzini e Paloma Rocha , SP, 2003), “De Glauber para Jirges” (André Ristum , SP, 2005) , “Memória de Deus e o Diabo em Monte Santo e Cocorobó” (Agnaldo Siri Azevedo , BA, 1984) .
Glauber Rocha, considerado o mais importante cineasta brasileiro de todos os tempos, influenciou toda uma geração subseqüente à sua morte. No programa “Em torno de Glauber”, a Programadora Brasil juntou obras que tentam desconstruir o mito Glauber, mantendo-se fieis às suas proposições de linguagem e estética. Sua mãe, D. Lúcia Rocha, também é retratada, tanto como tema do documentário Abry, quanto se despedindo do filho em A Degola Fatal, num dos momentos mais registrados da história do cinema nacional.
Já as sessões de cinema às quintas-feiras voltam apenas em 5 de agosto, com o retorno das aulas na Unidade II da UFGD.
O Cineclube UFGD entrou em atividade em janeiro de 2009, não tem fins lucrativos e sua finalidade é estudar, apreciar e divulgar a cultura audiovisual e cinematográfica sob todas as formas. Entre as atividades estão a distribuição, projeção e exibição de filmes e material audiovisual em geral e a realização de manifestações culturais e cinematográficas.

Fonte das sinopses: Programadora Brasil

Fotos: Divulgação
Legenda: “Deus e o Diabo na Terra do Sol” é um suspense em preto e branco lançado em 1964